09 abril 2012

2012 | GATILHOS - Inauguração 10 de abril

GALERIA DE ARTE IBEU apresenta “Gatilhos”,
primeira individual do alemão ANTON STEENBOCK
no Rio de Janeiro

Abertura: 10 de abril de 2012 (terça-feira), às 20h
Exposição: 11 a 27 de abril de 2012, de segunda a sexta, de 13h às 19h
Curadoria: Fernanda Pequeno




No dia 10 de abril será aberta a individual “Gatilhos”, do alemão ANTON STEENBOCK, artista selecionado através do edital do Programa de Exposições Ibeu. A mostra, que acontece na Galeria de Arte Ibeu, estará aberta à visitação de 11 a 27 de abril, das 13h às 19h, de segunda a sexta-feira, na Av. N. Sra. de Copacabana, 690 | 2º andar. A entrada é franca.

ANTON STEENBOCK apresenta a exposição “Gatilhos”, composta por desenhos, vídeos, fotografias e instalações. Os trabalhos propostos, em sua maioria, utilizam a eletricidade como ponto de partida e forças físicas em execução.

Ventiladores aparecem repetidas vezes como forma de manipular uma força que mesmo invisível se faz presente. No trabalho Cadernos de Notas, dois pequenos ventiladores disputam a leitura de um caderno de notas, onde a força de cada aparelho é equivalente e estende-se o acontecimento ao infinito. Já em Cesta Básica, o vento é usado como forma de sustentação de um tecido preso a pequenas garrafas de vidro.

Anton também apresenta trabalhos com materiais descartados, entulho, poucos recursos, mas com uma precariedade extremamente clean, bem arranjada.

Para Fernanda Pequeno, curadora da exposição: No imaginário brasileiro, a prática da gambiarra está ligada ao improviso, a um “jeitinho” provisório, que muitas vezes se perpetua. De qualquer maneira, a ela está ligada a precariedade de algo mal acabado, mesmo sendo essas soluções extremamente criativas. Na prática artística de Anton Steenbock, tal procedimento toma contornos gráficos bastante precisos e essa aparência de algo “arranjado” adquire outros delineamentos... Caderno de Notas, Cesta Básica, Desenhos Técnicos, Reza Forte, True Romance, Vela Auto-extinguível e as fotografias de diferentes séries lidam diretamente com a ideia de gambiarra, o que salienta seu caráter processual, provisório. A galeria, assim, passa a ser entendida não somente como espaço de exposição, mas como um laboratório, onde investigação e experimentação acontecem como extensões do ateliê e da rua, locais de produção do artista. E é assim que os trabalhos de Anton Steenbock funcionam como gatilhos poéticos. A eles, não apenas temos acesso como, em muitos casos, determinamos o rumo que a própria experiência irá tomar.



Anton Steenbock tem 27 anos, nasceu em Frankfurt, na Alemanha. Vive e trabalha no Rio de Janeiro. Este ano, além desta primeira individual no Rio de Janeiro, Anton foi selecionado para o Programa de Exposições do Centro Cultural São Paulo. Além das diversas exposições apresentadas na Alemanha, participou de mostras em São Paulo e no Rio de Janeiro, como “Abre Alas” (A Gentil Carioca), em 2011.